domingo, 5 de junho de 2011

ATITUDES CERTAS DIANTE DAS ADVERSIDADES

O assunto da adversidade é comum a todas as pessoas, pois, não existe pessoa que não as enfrente em algum momento de sua vida. O termo adversidade significa infortúnio, revés, ou seja, desgraça, infelicidade, instabilidade, contratempos. Todos são suscetíveis às adversidades. Em algum momento de nossas vidas as adversidades nos acometerão.
O que deve ser considerado primeiramente, é que a questão de ter atitudes certas diante das adversidades deve vir antes da adversidade, ou seja, o segredo está na preparação. Como devemos nos preparar para enfrenta-las.
No livro de Atos podemos observar as adversidades que Paulo enfrentou: primeiramente na Antioquia, depois Antioquia da Psídia e Icônio e, posteriormente Listra e Derbe.
Em ATOS 13:2-4 diz:
2: Enquanto eles ministravam perante o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. 3: Então, depois que jejuaram, oraram e lhes impuseram as mãos, os despediram. 4 Estes, pois, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre.
Pode-se perceber, nesse contexto, que Paulo antes de enfrentar as lutas e as adversidades jejuou, orou e impuseram-lhe as mãos para que lhe fosse dirigido o Espírito Santo. Ou seja, ele se submeteu à benção. Submissão significa reconhecimento a uma autoridade maior.
ATOS 13: 50-52 aborda:
50: Mas os judeus incitaram as mulheres devotas de alta posição e os principais da cidade, suscitaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé, e os lançaram fora dos seus termos. 51: Mas estes, sacudindo contra eles o pó dos seus pés, partiram para Icônio. 52: Os discípulos, porém, estavam cheios de alegria e do Espírito Santo.
A palavra demonstra que Paulo foi vítima de calúnia, difamação e injustiça, mas não se incomodou com as perseguições. A bíblia diz que ele sacudiu o pó de seus pés e partiu.
Algumas pessoas que sofrem calúnias, difamações e que são injustiçadas acabam entrando em depressão. Mas aqui Paulo ensina uma lição: Que prosseguir a vida é mais importante do que ficar dando importância ao que estão falando de você. Ele não deu importância ao que estavam falando dele, porque ele sabia que tinhas coisas mais importantes para fazer.
Abre-se aqui um comentário sobre o ditado que diz que “copo d’água quando está cheio não cabe mais nada, pois se acrescentar mais ele transborda” Paulo estava cheio do Espírito Santo, não cabia mais nada, não tinha lugar para as coisas ruins. Quer dizer que: Quem tem a presença de Deus na vida não dá lugar para as coisas ruins, não se deixa influenciar pelas calúnias, difamações ou injustiças.
Em ATOS 14: 5-6 que diz: 5: E, havendo um motim tanto dos gentios como dos judeus, juntamente com as suas autoridades, para os ultrajarem e apedrejarem, 6: eles, sabendo-o, fugiram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia, e a região circunvizinha;
Aqui, nesse contexto, eles estavam enfrentando adversidades num campo maior. Pode ser que alguém crie situações pra você perder o equilíbrio emocional e perder a razão, para que você se destrua, para que você perca o autocontrole.
Mas veja a atitude estratégica de Paulo e Barnabé no versículo 6. Fugiram para Listra e Derbe. Eles fugiram. Meu amigo! Tem momentos em que é preciso recuar para não perder o propósito. Precisamos saber a hora de mudar o rumo, mudar de direção. Eu aprendo aqui que eu posso continuar o meu plano, o meu projeto em outro lugar. Paulo e Barnabé tinham o objetivo de pregar o evangelho, conforme pode ser visto no versículo 7 do capítulo 14.
Já em ATOS 14: 19-22 a adversidade chega no clímax.
19: sobrevieram, porém, judeus de Antioquia e de Icônio e, havendo persuadido as multidões, apedrejaram a Paulo, e arrastaram-no para fora da cidade, cuidando que estava morto. 20: Mas quando os discípulos o rodearam, ele se levantou e entrou na cidade. No dia seguinte partiu com Barnabé para Derbe. 21: E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia, 22: confirmando as almas dos discípulos, exortando-os a perseverarem na fé, dizendo que por muitas tribulações nos é necessário entrar no reino de Deus.
Podemos estar passando por dificuldades, por situações graves. Podemos estar passando por doenças graves. Passamos por lutas. Sentindo na própria pele o poder da adversidade. Mas, veja a outra estratégia de Paulo nos versículos acima: Se fez de morto. Entrou no jogo da adversidade. Ele teve percepção. Ele percebeu que qualquer ato seu, qualquer movimento e ele era um homem morto. Mas, aproveitando-se de que pensavam que ele realmente estava morto e ficou quieto, imóvel, inerte, não deu nenhum passo. Ludibriou a adversidade.
No capítulo 20 Paulo levantou e saiu da adversidade. O Espírito Santo disse: Ta na hora de sair do lugar. O perigo já passou. Devemos ter em mente que existe o tempo em que se faz necessário parar e o momento em que devemos sair da inércia. Para tanto, precisamos ter discernimento e percepção, sobretudo, prudência. Paulo foi prudente. Ele, mesmo estando cheio do Espírito Santo não deu uma de Super Herói, não deu uma de bacana. Porque ele tinha consciência de seus limites, de até aonde ele poderia ir com suas atitudes. Ciclones e furacões não se enfrentam, porque eles são maiores que a nossa capacidade de enfrenta-los. Terá momento em nossa vida que a adversidade vai ser maior e nós teremos de recuar. Teremos que ludibria-la.
Paulo então teve um ato de coragem, conforme pode ser visto no versículo 21. Ele voltou onde queriam mata-lo. CORAGEM NÃO SIGNIFICA AUSÊNCIA DO MEDO, MAS DOMÍNIO DO MEDO, CONTROLE DO MEDO. Quando o medo domina, ele paralisa. Paulo teve coragem para romper com situações passadas.
Deus aqui está falando com pessoas paralisadas, para que tenham coragem de continuar a caminhar.
Em ATOS 14: 22 a adversidade aparece como uma experiência positiva para ajudar outros.
Em II Cor. 1:3-4 – Paulo escreve: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados de Deus.” Paulo está dizendo: Eu passo por lutas e adversidades, mas Deus me consola e todas as minhas lutas servirão para ajudar os outros. Eu venci e você pode vencer também. Porque o meu Deus é o mesmo teu. A minha vitória pode ser a tua vitória. Levanta a tua cabeça. Deus está contigo.
O que não permitiu que Paulo desistisse na primeira, nem na segunda e nem na terceira adversidade foi o fato de estar cheio do Espírito Santo de Deus.
E qual o segredo de Paulo que por pior que seja a adversidade nada tirou a sua fé? Ele tinha objetivos, ideais, no contexto em análise, seu objetivo era pregar a palavra. Paulo era uma pessoa responsável por suas decisões. Tomava suas decisões com base em princípios. Uma pessoa de princípios sempre terá seus objetivos maiores que qualquer adversidade.
Em II Cor. 4: 16-18 Paulo diz: “Por isso não desfalecemos: mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia, porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se vêem mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.”
Em Rm 8:18 ele diz: “Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.”
Em II tim. 1:12 diz: “Por cuja causa padeço também isto,mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até aquele dia.”
Agora eu te pergunto: Para onde você está caminhando? Qual é o teu objetivo maior? Você sabia que muito crente desanima e é vencido na primeira adversidade porque seus objetivos são pessoais? Todos nós temos lutas e adversidades, portanto, a questão não é a adversidade, mas a nossa atitude em relação a ela.
O nosso objetivo maior é Deus. É levarmos o Seu evangelho. É alcançarmos a vida eterna. Olha pro teu objetivo irmão, ele é pessoal? Ou você tem uma missão que Deus te confiou? Se Deus te confiou então siga em frente. Continua! Porque nenhuma luta é maior que o teu Deus. E, nada pode bloquear aquilo que Deus quer fazer na tua vida. Creia! O melhor de Deus está por vir.
Lembre-se do que Deus diz em Isaías 41: 10: “Não temas, porque Eu sou contigo; Não te assombres, porque Eu sou Teu Deus; Eu te esforço e te ajudo e te sustento com a destra da Minha justiça”.
Pregação proferida na Igreja Evangélica Assembléia de Deus – Bairro Planaltina
Marilda Monteiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário